A conhecida “limpeza dentária”

Tratamento dentário efetuado por um Médico Dentista ou higienista oral, a destartarização consiste na remoção da placa bacteriana e tártaro da superfície dentária, com auxílio de ultrassons.

 

O que é a placa bacteriana?

A placa bacteriana é uma pelicula, composta por bactérias e saliva, que se forma em todas as superfícies do dente. Os ácidos produzidos pelas bactérias da placa bacteriana criam a desmineralização do esmalte dentário proporcionando o aparecimento da cárie dentária.

O que é o tártaro?

A placa bacteriana depois de formada vai solidificar dando origem ao tártaro. Ao criar esta camada sólida, torna mais difícil a sua remoção nesta fase, é de extrema importância recorrer ao seu dentista para que seja feita uma destartarização. O tártaro pode ser supra e sub-gengival, o primeiro é o tártaro visível que mais preocupa as pessoas contudo o sub-gengival é o mais preocupante não sendo visível é de simples perceção pois ao escovar as gengivas sangram e estão edemaciadas “inchadas” criando as gengivites e em fazes mais avançadas originando doenças periodontais, acabando por levar á destruição dos ligamentos que unem o dente à gengiva e ao osso, causando a perda óssea e a consequente perda dentária.

A Destartarização doi?

Este tratamento para a maioria das pessoas é indolor, contudo alguns pacientes durante a remoção do tártaro sub-gengival, demonstram algum desconforto ou dor, nestes casos é administrado um anestésico de colocação tópica para eliminar a dor durante o tratamento, garantido o conforto durante e após a destartarização. Após realizada a remoção do tártaro, segue-se um polimento de todas as superfícies dentárias de modo a tornar mais difícil uma nova adesão da placa bacteriana á superfície dos dentes.
Periodicidade do tratamento:
A destartarização deve ser feita com alguma regularidade (6 em 6 meses) pois é através dela que se conseguem prevenir algumas doenças gengivais como a gengivite e periodontite. Existem pessoas com maior tendência à formação de tártaro, fazendo com que a necessidade de recorrer a este tipo de intervenção seja em intervalos de tempo mais curtos.

Dr. Luís Forte Martins
Diretor Clínico | Licenciatura Anatomia Patológica | Mestrado Integrado Medicina Dentária | Áreas de interesse : Patologia Oral | Ortodontia | MD Generalista